#10: Documentário, real e mistério

shortcutz-logos-box

O espaço reservado ao mistério e até à magia num documentário é uma das grandes inquietações da criação cinematográfica contemporânea. Na sua sessão #10, o Shortcutz Guimarães debruça-se um pouco sobre o que tem sido a produção nacional neste campo com duas curtas-metragens em competição que cruzam o real reconhecível com lugares de estranheza. Os dois filmes são exibidos a 26 de Abril, na sede do Cineclube de Guimarães, na penúltima sessão antes da sua pausa de Verão.

O primeiro dos filmes em competição em Abril é “Atopia”, obra assinada por Luís Azevedo e Alexandre Marinho. Este é uma viagem ao encontro de alguém que não percebemos bem aonde pertence. É certo que somos capazes de identificar as imagens – ou pelo menos de tentar situá-las geograficamente –, mas quando conhecemos a sua personagem central, José António Baptista ficamos sem perceber se encontrámos alguém que é deste mundo ou sequer deste tempo. “Atopia” foi um dos nomeados para o prémio de Melhor Documentário em Curta-Metragem nos Prémios da Academia Portuguesa de Cinema de 2016.

Em “Condrong”, de Gonçalo Almeida, o espaço dado à estranheza é também amplo. Rodado numa pequena vila piscatória da Gâmbia, este documentário intrigante é habituado por uma entidade misteriosa que perceberemos que está entre a população daquele lugar. O título do filme é uma referência a um espírito que não consegue ser visto, mas cuja presença é sentida. A fotografia precisa e a opção pelo preto-e-branco – assim como o facto de ser inteiramente falado em dialecto mandingo – conferem-lhe um grau de enigma acrescido que tornam esta uma obra muito particular.

“Atopia”, de Luís Azevedo e Alexandre Marinho

“Condrong”, de Gonçalo Almeida

“Ao Lobo da Madragoa” e “Cabeça d’Asno”, de Pedro Bastos

#10 “Condrong”

Condrong.jpg

“Condrong”, de Gonçalo Almeida

11’, 2016

Realização e fotografia: Gonçalo Almeida

Edição: Ricardo Saraiva

Música: Andrea Boccadoro

Som: João Nunes

Sinopse: Uma entidade misteriosa assombra o povo da Gâmbia.

#10 “Atopia”

Atopia.jpg

“Atopia”, de Luís Azevedo e Alexandre Marinho

11’27’’, 2015

Com Alexandre Marinho e Jodé António Baptista

Captação de Som:  Ana Pedro

Imagem: Tiago Carvalho e Igor Martins

Montagem: Tiago Carvalho, Ana Pedro, Luís Azevedo, Igor Martins, Alexandre Marinho

Pós-Produção Audio:  Ana Pedro e Lara Bolito

Sinopse: Uma viagem ao encontro de alguém que pertence a nenhures. Um regresso impossível. Depois de onze anos passados na cidade, José António Baptista regressou à sua terra com o intuito de se dedicar à literatura.

Sessão dupla com Pedro Bastos

cabeçad'asnoframeagencia#4.jpg

O realizador convidado da sessão de Abril do Shortcutz Guimarães traz não um, mas dois filmes. O vimaranense Pedro Bastos apresenta “Cabeça d’asno”, a sua curta-metragem mais recente, apresentada no ano passado, e “Ao Lobo da Madragoa”, filme-homenagem rodado para a Guimarães 2012.
Pedro Bastos é artista plástico, argumentista e realizador. Os seus filmes experimentais são contaminados pelas múltiplas formas de expressão deste criador. “Cabeça d’asno”, interpretado pelo próprio, é uma reflexão sobre a própria ideia de criação. A obra parte de duas questões: Como surge a primeira imagem na nossa cabeça? e Quando uma imagem perde o seu significado original e se transforma numa outra coisa?

“Ao Lobo da Madragoa” também é esteticamente marcado pelo trabalho como artista plástico de Bastos, mas é sobretudo a palavra que aqui assume um papel central. O filme, comissariado pela Capital Europeia da Cultura, faz uma homenagem a António Lobo de Carvalho, conhecido como Lobo da Madragoa, um poeta satírico do século XVIII, nascido em Guimarães.

A exibição de “Ao Lobo da Madragoa” será uma oportunidade rara de rever um filme rodado em Guimarães durante 2012 e inaugura uma nova linha de programação que o Shortcutz pretende explorar este ano: resgatar as curtas-metragens comissariadas pela Capital Europeia da Cultura que ainda não forma suficientemente vistas. O filme de Pedro Bastos será exibido no seu formato original, película de 35 mm.

A exibição está marcada para 26 de Abril, às 22h00, na sede do Cineclube de Guimarães. A entrada é livre.

“Ao Lobo da Madragoa”, de Pedro Bastos

9′, 2012

Com Tânia Dins e Adolfo Luxúra Canibal (voz off)

Argumento: Pedro Bastos

Fotografia: Jorge Quintela

Montagem: Rodrigo Areias

Música: António Rafael.

Sinopse: Filme Homenagem ao Poeta Vimaranense António Lobo de Carvalho

“Cabeça d’Asno”, de Pedro Bastos

12′, 2016

Com Pedro Bastos

Argumento e Fotografia: Pedro Bastos

Montagem: Pedro Bastos e Ricardo Freitas

Som: Pedro Marinho e Pedro Ribeiro

Sinopse: Cabeça D’Asno é um filme experimental que parte de duas questões: Como surge a primeira imagem na nossa cabeça e, quando uma imagem perde o seu significado original e se transforma numa outra coisa.

 

De Cannes a Guimarães, “Ascensão” na sessão #09

8797

O cineasta Pedro Peralta é o convidado da sessão #09 do Shortcutz Guimarães, que acontece no próximo dia 29 de Março. O realizador lisboeta apresenta “Ascensão”, curta-metragem de 2016 que foi selecionada para a Semana da Crítica do Festival de Cannes. “Cigatriz” e “Lugar em Parte Nenhuma” são os dois filmes em competição.

“Ascensão” é um filme ascético e belo, composto por três planos sequência extraordinariamente filmados e marcado pela ideia do Cinema como território de milagres. Rodado em Glória do Ribatejo, com não actores locais, a acção acontece ao nascer do sol, quando um grupo de camponeses tenta recuperar o corpo de um jovem de um poço.

Além da presença em Cannes, “Ascensão” teve uma muito interessante carreira no circuito europeu de festivais com galardões no IndieLisboa e nos festivais de Riga, Cairo e Amiens.

O Shortcutz Guimarães tinha inicialmente anunciado a presença do realizador e argumentista vimaranenses Pedro Bastos como convidado desta sessão, exibindo duas curtas-metragens suas. No entanto, dado um problema de agenda do autor, essa sessão foi adiada para data posterior.

Em competição, será exibido “Cigatriz”, um filme de Afonso Alves, que é uma experiência visual em torno da relação entre dois homens, dois corpos, um cigarro e uma cicatriza.  Também “Lugar em Parte Nenhuma” está seleccionada pelo Shortcutz Guimarães para esta sessão. Este filme de animação – com música de Filho da Mãe – recua a 1975 altura em que a guerra civil em Angola criou a disrupção numa família.

A sessão #09 do Shortcutz Guimarães está marcada para as 22h00 do dia 29 de Março, na sede do Cineclube de Guimarães, no centro histórico da cidade. A entrada na sessão é livre.

“Cigatriz”, de Afonso Alves

“Lugar em Parte Nenhuma”, de Bárbara de Oliveira e João Rodrigues

“Ascensão” de Pedro Peralta

#09 “Cigatriz”

still_2-0.jpg

“Cigatriz”, de Afonso Alves

1’43’’; 2016

 

Com David Capela

Argumento e Realização: Afonso Alves

Música: On the Level – Leonard Cohen

 

Sinopse: uma relação entre um cigarro e uma cicatriz.

#09 “Lugar em Parte Nenhuma”

Lugar em parte nenhuma imagem 2

“Lugar em Parte Nenhuma”, de Bárbara de Oliveira e João Rodrigues

6’21’’; 2016

 

Realização / Argumento / Montagem: Bárbara de Oliveira e João Rodrigues

Animação: Bárbara de Oliveira, João Rodrigues, Miguel Mendes, Susana Santos

Som: Ivanildo Cá, João Rodrigues, Pedro Góis

Música: Rui de Carvalho – Filho da Mãe

Produção: Ana Carina, Praça Filmes

 

Sinopse: Até que um dia… quando foi disparado o primeiro tiro, tivemos que abandonar as nossas residências.” – Ema em 1975 estava à espera da chegada do seu primeiro filho, em Angola. No entanto a sua espera tranquila foi abruptamente interrompida por uma força que a retirou do seu conforto e mudou a sua vida para sempre.

#09 “Ascensão”

Ascensão 1.jpg

“Ascensão” de Pedro Peralta | Curta Convidada 

18’; 2016

Com Domicília Nunes, Ricardo Francisco, Alice Calçada, António Pote, António Eusébio, Daniela Toito, Fábio Leiria, João Paulo, José Manuel, Leonel Pirralha, Manuela Domingues. Marlene Monteiro. Susana Monteiro and Vitalina Ferreira

Realização: Pedro Peralta

Fotografia: João Ribeiro

Som: Ricardo Leal / Miguel Martins

Produção: João Matos, TERRATREME

 

Sinopse: Durante o nascer do Sol, um grupo de camponeses tenta recuperar o corpo de um jovem de um poço. As mulheres velam em silêncio. Homens resistem com todas as suas forças. No centro de todos: a Mãe espera pelo resgate do corpo do filho. A espera termina. Das profundidades da Terra, os homens tiram o corpo do jovem rapaz. Como pode a vida chegar chegar ao fim se tudo na natureza está eternamente em transformação? À distância, o Sol inunda o horizonte. Um novo dia surge pela frente.

Entre o país e a casa

sc

São abordagens sobre realidades de dimensões bastante distintas as que propõem os dois primeiros filmes em competição na temporada 2017 do Shortcutz Guimarães. Enquanto “O Encoberto” reflecte sobre dois mitos nacionais, D. Sebastião e Fernando Pessoas, “A casa ou a máquina de habitar”, faz uma viagem à relação individual que cada pessoa tem com o lugar onde vive. A curta convidada da sessão #08 é “Rei Inútil”, de Telmo Churro.

“O Encoberto”, de Tomás B. Cunha, é um “road movie” em que quatro amigos – entre os quais o próprio realizador – percorrem Portugal à procura de uma interpretação da Mensagem de Fernando Pessoa e do mito sebastiânico. É um romance platónico, em que Portugal procura a sua verdadeira identidade e que tal como foi para Fernando Pessoa há mais de 80 anos um apelo à mudança de atitude, é toda uma vontade de perder a inércia e apontar para um caminho maior.

Se “O Encoberto” é colectivo, “A casa ou a máquina de habitar” é um filme sobre os nossos universos individuais. Neste filme de animação, que parte de uma base documental, Catarina Romano reúne pessoas que falam em conversas e situações banais. São estas vozes que contam histórias mínimas que a imagem desnovela, desmultiplica ou faz respirar: ensaiam-se universos que são pessoas-casa (ou casas-pessoa), ancorados em caixas, corpos, segredos, desejos, olhares ou na efemeridade das matérias.
O filme convidado desta sessão é “O Rei Inútil”, curta-metragem que marca a estreia na realização de Telmo Churro. O filme conta a história de Tiago, um aluno repetente, finalista do ensino secundário que, apesar dos apelos apelar ao divino, vai novamente chumbar o ano. Entre mentir à benevolente mãe e ceder à tentação de uma viagem com a namorada, Tiago vai ter de tomar decisões.

A sessão #08 do Shortcutz Guimarães acontece na próxima quarta-feira, 22 de Fevereiro, na sede do Cineclube de Guimarães, pelas 21h45. A entrada é livre.

O Encoberto, de Tomás B. Cunha

A Casa ou a Máquina de Habitar, de Catarina Romano

Rei Inútil, de Telmo Churro

#08 “Rei Inútil”

REINUTIL.jpg

“Rei Inútil”, de Telmo Churro – Curta Convidada 

25’; 2013

 

Com Bárbara Valentina, Fernando Rebelo, Joana Feijó, Manuel Mozos, Pedro Neto

Argumento e Realização: Telmo Churro

Fotografia: Mário Castanheira

Som: Miguel Martins

 

Produção: Luís Urbano, Sandro Aguilar, O SOM E A FÚRIA
Sinopse: Tiago é um aluno repetente, finalista do ensino secundário. Apesar de apelar ao divino, vai novamente chumbar o ano. Entre mentir à benevolente mãe e ceder à tentação de uma viagem com a namorada, Tiago vai ter de tomar decisões. Talvez Tiago não seja um caso perdido.