“Dia de Festa” foi a curta do ano no Shorcutz Guimarães 2020

“Dia de Festa”, de Sofia Bost, foi a melhor curta-metragem de 2020 no Shortcutz Guimarães. O filme recebeu um total de três distinções na sessão especial de entrega de prémios relativa à temporada passada, que aconteceu esta quarta-feira, na sede do Cineclube de Guimarães.

O filme de Sofia Bost teve estreia em 2019 na Semaine Internationale de la Critique do Festival de Cannes, tendo sido depois exibido na sessão de Outubro do ano passado do Shortcutz Guimarães. Além de ter sido considerada a melhor curta do ano, recebeu também o prémio de melhor argumento, de Tiago Bastos Capitão, e de melhor intérprete pela prestação de Rita Martins.

O júri composto por Luísa Alvão e Samuel Silva, da equipa de organização do certame, os realizadores André Guiomar e Inês Vila Cova, e Alexandra Xavier, representante da direcção do Cineclube de Guimarães, decidiu também atribuir uma menção especial a “O Peculiar Crime do Estranho sr. Jacinto”, de Bruno Caetano.

Este filme de animação, estreado também em 2019 e que é narrado por Sérgio Godinho, recebeu também o prémio do público. Esta foi a curta-metragem melhor cotada na avaliação feita em cada uma das sessões competitivas pelos espectadores.

Ao todo, havia 14 filmes a concurso, competindo por cinco categorias. Foram ainda distinguidos Diogo Baldaia, considerado o melhor realizador por “Miragem Meus Putos” (2017), e Carlos Lopes, autor da melhor fotografia em “3 anos depois” (2018), dirigido por Marco Amaral.

A cerimónia de entrega dos prémios do Shortcutz Guimarães 2020 foi inaugurada com uma performance de Ana Deus, que cruzou poesia, som e imagem em movimento. A sessão aconteceu mais tarde do que é habitual, depois de ter sido adiada na sequência das várias restrições provocadas pela pandemia. O micro-festival de curtas-metragens, que há cinco anos acontece em Guimarães, fruto de uma parceria com o Cineclube de Guimarães, entra agora na sua habitual pausa de Verão, retomando as sessões regulares no final do mês de Setembro.

#65 “Como Gado”

“Como Gado” de Mia Tomé e Matilde Calado | EXTRA-COMPETIÇÃO

2020, 5’

Com: Mia Tomé

Texto e Voz: Mia Tomé

Realizadora e Editora: Matilde Calado

Sinopse: Uma reflexão sobre o comportamento de Alfred Hitchcock, com as suas atrizes nos seus sets de filmagens. A partir de imagens de arquivo, cruzadas com imagens de uma mulher do século XXI, usando também a exploração sensorial sonora, é criado um olhar experimental, sobre um período na indústria cinematográfica, onde muitas foram as atrizes, vítimas do sistema machista da época.

#65 “Quando For Tarde”

“Quando For Tarde” de Matilde Calado

2019, 12’10’’

Com: Mia Tomé, Rodrigo Perdigão, Ricardo Barbosa, Filipe Abreu, Pedro Nunes

Guião, Direcção, e Produção: Matilde Calado

Som: José Maria Forjaz

Edição: António Simão

Direcção de Arte: Sofia Negreiros, Tiago R. Martins

Produção Musical: João Giga

Sinopse: Ainda antes de nos conhecermos, quando somos pequeninos, a única coisa que queremos é ser reconhecidos e amados. “Quando For Tarde”, uma ficção observacional, retrata um lugar comum sobre o amor e a persistência em correr atrás de alguém, uma reflexão sobre a utopia antiga de que o príncipe encantado chegará para preencher todos os nossos vazios emocionais da vida.

#65 “A Eternidade e Uma Noite”

“A Eternidade e Uma Noite” de Tomás Barão da Cunha

2020, 12’

Com: Pedro Caeiro, Mia Tomé

Realizador: Barão da Cunha

Argumento: Tomás Barão da Cunha

Produtores: Carolina Ribeiro, Tomás Barão da Cunha

Produção e Distribuição: P. PORTO, Waves Of Youth

Direção de Fotografia: Miguel Canaverde

Direção de Som: Gonçalo Barão da Cunha

Banda Sonora: Cleon

Sinopse: Hoje, Mariana morreu. Ou talvez ontem. Sentado à mesa do café, David vive a sua última noite na Terra, enquanto reflete sobre si, sobre o seu tempo e sobre a sua condição humana.

Por fim, os premiados

O Shortcutz Guimarães premeia, no próximo dia 23 de Junho, os filmes, cineastas e actores que mais se destacaram na edição de 2020. A cerimónia acontece mais tarde do que é habitual, depois de ter sido adiada na sequência das várias restrições provocadas pela pandemia.

Além dos filmes premiados, a sessão contará com a performance Colo, por Ana Deus, a mítica vocalista de Três Tristes Tigres, que cruza sons do cinema com poesia.

Serão entregues as cinco categorias (Melhor curta do ano, Melhor Realizador, Melhor Fotografia, Melhor Intérprete, Melhor Argumento) bem como o prémio do público, com base nas votações dos presentes em cada uma das sessões competitivas. Há 14 filmes a concurso.

O júri do Shortcutz Guimarães 2020 é composto por Luísa Alvão e Samuel Silva, da equipa de organização do certame, os realizadores André Guiomar e Inês Vila Cova, bem como Alexandra Xavier, representante da direcção do Cineclube de Guimarães.

Antes da sessão que consagra os melhores de 2020 há, no dia 9 de Junho, a última exibição da primeira metade de 2021, que terá como convidado Manuel Mozos, figura incontornável do cinema português, que conversa com o público a propósito de “Cinzas e Brasas” (2015).

Em competição estão as curtas “A Eternidade e Uma Noite”, de Tomás Barão da Cunha (que regressa ao Shortcutz Guimarães onde já apresentou “O Encoberto”), e “Quando for tarde”, de Matilde Calado.

Ambos os filmes são protagonizados pela actriz Mia Tomé, que também estará presente na sessão e apresentará, fora de competição, “Como Gado”, filme-ensaio que assina com Matilde Calado.

Ambas as sessões acontecem na sede do Cineclube de Guimarães, às 21h00, e têm entrada livre, sujeita às limitações da lotação motivadas pela actual situação sanitária.

#65 “Cinzas e Brasas”

“Cinzas e Brasas” de Manuel Mozos | CURTA CONVIDADA

2015, 21’

Com: Ana Ribeiro, Gustavo Sumpta, Isabel Ruth

Realizador: Manuel Mozos

Produtor: João Viana, Papaveronoir

Argumento: Luís Mário Lopes

Fotografia: Iana Ferreira

Montagem: Luís Nunes, Manuel Mozos

Música: “La Folie” The Stranglers

Som: José Pedro Figueiredo, Mário Dias, Nuno Carvalho

Sinopse: A escritora Dulce Maria Cardoso declarou que “A beleza pode ser um pretexto para ser louco. A beleza e a solidão”. Nesta curta-metragem todos estes “elementos” serão expostos: a solidão, a beleza, a loucura e Dulce Maria Cardoso. O pretexto para que isso aconteça é um outro reencontro: o reencontro, num futuro ainda distante, de uma paixão desvairada e insustentável: aquela que existiu entre Dulce Maria Cardoso e o Rui, sobre quem ela escreveu naquele seu primeiro romance.

#64 “Os Salteadores”

“Os Salteadores” de Abi Feijó
1993, 14’

Animação: Clídio Nóbio, Regina Pessoa, Raquel Morais, João Pedro Gomes, Laura Carvalhosa, Maria Moreira da Silva, Zé Carlos Pinto, Graça Gomes, Filipe Moreira da Silva, Tânia Anaya, Lino Dias
Produção: Jorge Neves
Realização: Abi Feijó
Fotografia: Martin Koscielniak, Pedro Serrazina
Música e Som: Tentúgal

Sinopse: Em plenos anos 50, numa viagem de carro à noite ao longo da costa portuguesa, ouve-se uma discussão sobre a identidade de um grupo de homens, capturados e mortos no decorrer da Guerra Civil Espanhola.

#64 “Sofia”

“Sofia” de Filipe Ruffato e Gonçalo Viana | EXTRA-COMPETIÇÃO

2019, 10’

Com: Anna Leppãnen, Filipe Ruffato, Manel Abreu, Helder Mendes

Realização: Filipe Ruffato e Gonçalo Viana

Argumento: Filipe Ruffato

Cinematografia: Gonçalo Viana

Assistente de fotografia: João M. Carvalho

Edição de som: Simão Assunção

Som directo: Simão Assunção

Produção: Helder Mendes e Catarina Matias

Sinopse: Num único e ousado plano-sequência Sofia é um filme onde vemos desdobrar medos, incompreensões, preconceitos, ânsias e desejos, sendo que todos esses sentimentos – e muitos outros, ainda – surgem e desaparecem nas entrelinhas do não-dito. Um belíssimo olhar sobre a nossa precária condição humana.

#64 “The Frightened”

#64 “The Frightened” de César Santos

2020, 15’

Com: César Santos, Guilherme Coelho, Carlos Santos

Escrito, Produzido, Editado e Realizado por César Santos

Diretor de Fotografia e Compositor da Música: César Santos

Sinopse: Um estudante em Chicago está prestes a cometer um crime… ou não.